As disputas narrativas dos movimentos pró e anti-vacina nas redes sociais e os impactos na Saúde Pública

Resumo: Este projeto tem como objetivo mapear a circulação das mensagens de forma relacional, de modo a analisar os discursos e as controvérsias nas redes sociais Twitter e Facebook dos movimentos pró e anti-vacina. A internet, por meio das redes e mídias sociais, tornou-se um espaço para a elaboração de mensagens sobre os programas de promoção da saúde e de prevenção, que visam comportamentos saudáveis. Também é meio para o compartilhamento de informação sobre riscos e agravos à saúde em situações de crise, e os meios para os tratamentos e cuidados à saúde. Contudo, esse engajamento disputa a audiência nas redes do Twitter e do Facebook com conteúdos e (des)informações do movimento anti-vacina - que questiona a real eficácia das vacinas ou mesmo especulam a respeito de reações adversas das doses aplicadas na população. Dentro dessas redes, as conversas e interações podem ser objeto de estudo a partir de suas coletas por meio de aplicativos, formando grandes bancos de dados. A esse grande conjunto de dados, não possível de ser manipulado por softwares comumente utilizados no computador, convencionou-se chamar de Big Data. O desenvolvimento de tecnologia se torna necessário neste tipo de pesquisa para possibilitar a coleta desses “rastros”, catalogá-los dentro de grandes datasets, e organizá-los em planilhas com diferentes informações sobre as postagens na rede. O mapa social do movimento pró-vacina e anti-vacina nas redes do Twitter e do Facebook se utilizará destes rastros deixados pelos usuários nas redes, bem como de suas conectividades para identificar as controvérsias que envolvem diversos tipos de atores que demonstram a saúde pública em sua forma mais dinâmica, além de perceber o debate em torno da imunização e os seus conflitos. Para isto, é necessária uma ferramenta capaz de coletar, minerar, interpretar e visualizar esses dados, assim como o script Ford - desenvolvido pelo Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic) - que possibilita ter informações importantes para traçar novas estratégias comunicacionais para a divulgação de campanhas de vacinação. Dessa maneira, evitar a propagação de desinformações e boatos na rede, que tem reflexos diretos na eficácia das ações para imunização da população.

Data de início: 2019-03-11
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Mestrado Nelson Aloysio Reis de Almeida Passos
Aluno Mestrado Veronica Aparecida Ribeiro Haacke
Colaborador Milena Mangabeira da Silva
Coordenador Adriana Ilha da Silva
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105