ESTRATÉGIAS PARA ENFRENTAMENTO DO HIV E SÍFILIS NAS MULHERES VENEZUELANAS EM SITUAÇÃO DE MIGRAÇÃO NO BRASIL

Resumo: O Brasil ainda não possui uma política nacional consolidada para a população de migrantes, refugiados e apátridas e, na maioria das vezes, as doenças infecciosas não são prioridade de saúde, a triagem sindrômica não é prontamente conduzida e os diretos a saúde sexual e reprodutiva não são assegurados. Este estudo pretende identificar e abordar as barreiras enfrentadas, no o acesso ao serviço de saúde, para o diagnóstico e tratamento do HIV e Sífilis, pelas venezuelanas instaladas no Brasil. Por meio dos gestores será possível identificar diferentes modos como órgãos e instituições nacionais e internacionais de saúde tem se posicionado diante das situações de migração, identificar as ações adotadas e os desafios encontrados, no enfrentamento do HIV e Sífilis; e, por meio das venezuelanas, analisar a percepção acerca do diagnóstico e tratamento do HIV e Sífilis, as condições de atendimento nos serviços de saúde e as repercussões do diagnóstico em suas vidas. Trata-se de um estudo descritivo, exploratório, com abordagem qualitativa, que se desenvolverá nas cidades de Manaus e Boa Vista. Os resultados do estudo terão o potencial de estabelecer subsídios para a discussão de políticas, abordagens, prestação de serviços e modelos de atenção centrados na saúde das migrantes e refugiadas com doenças infecciosas como HIV e Sífilis, propondo estratégias para a prestação do cuidado, medidas de proteção social e formulação de políticas para o enfrentamento dessas doenças.

Data de início: 2020-04-28
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Doutorado Sonia Vivian de Jezus
Coordenador Ethel Leonor Noia Maciel
Pesquisador Thiago Nascimento do Prado
Pesquisador Carolina Maia Martins Sales
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105