DEPENDÊNCIA DE INTERNET, ANSIEDADE, DEPRESSÃO E USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA ADOLESCÊNCIA TARDIA

Nome: George Nunes Bueno
Tipo: Tese de doutorado
Data de publicação: 27/07/2020
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Edson Theodoro dos Santos Neto Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Andressa Reisen Sarlo Examinador Externo
Anna Maria Chiesa Suplente Externo
Edson Theodoro dos Santos Neto Orientador
Flávia Batista Portugal Examinador Interno
Hermano Tavares Examinador Externo
Maria Carmen Moldes Viana Examinador Interno
Marluce Mechelli de Siqueira Suplente Interno

Resumo: Com a maior utilização da Internet e das novas tecnologias, principalmente pelos
indivíduos mais jovens, pode-se perceber que os adolescentes demonstram um
padrão de uso intenso, passando cada vez mais tempo diariamente conectados e
também utilizando as redes sociais. A Internet pode proporcionar benefícios, porém
seu uso exagerado pode levar à dependência e trazer prejuízos nos campos tanto
social quanto pessoal dos indivíduos. Na adolescência os indivíduos estão
propensos a vários tipos de transtornos mentais, como a ansiedade e a depressão.
É também nessa fase que o adolescente parece ser mais resistente às instruções de
seus responsáveis, sendo maior sua susceptibilidade para a experimentação e o
possível uso abusivo de drogas. Os objetivos desta tese foram: verificar a
associação entre a dependência de Internet, as características sociodemográficas e
o padrão de uso de Internet e de mídias sociais; e verificar a associação da
dependência de Internet com a ansiedade, depressão, autoestima e o uso de
substâncias psicoativas em adolescentes de 15 a 19 anos estudantes do ensino
médio em escolas públicas e privadas da Região Metropolitana da Grande Vitória –
ES (RMGV-ES). Este estudo faz parte de um inquérito epidemiológico seccional de
base escolar, realizado entre os anos de 2016 e 2017, com base em uma amostra
representativa dos estudantes de 15 a 19 anos matriculados no ensino médio da
RMGV-ES. Foram realizadas entrevistas com 2.293 adolescentes, nas quais se
verificou a associação entre a dependência de Internet (Internet Addiction Test –
IAT) com fatores sociodemográficos, uso de substâncias psicoativas (Área 1 do Drug
Use Screening Inventory – DUSI-R), sintomas de ansiedade e depressão (Escala
Hospitalar para Ansiedade e Depressão – HAD) e autoestima (Escala de Autoestima
de Rosenberg – EAR). A análise estatística envolveu o teste qui-quadrado de
Pearson e a regressão logística binária e multinominal. Foram encontradas
associações da dependência de Internet em adolescentes que estavam em séries
iniciais do ensino médio (p=0,001) com os que possuíam chefe da família com baixo
nível de escolaridade (p=0,018), aqueles que passavam quatro ou mais horas por
dia navegando (p<0,001) e os que utilizavam Internet todos os dias da semana

(p=0,004). A dependência de Internet também foi associada ao uso do Twitter (p-
valor=0,040), às razões subjetivas de uso (p=0,001) e aos que deixavam de utilizá-la

por razões sociais (p=0,001). Além disso, o sexo feminino foi associado às maiores
chances de apresentar sintomas ansiosos (ORaj=1,36; IC95%=1,11-1,65) e baixa
autoestima (ORaj=1,92; IC95%=1,00-3,68), enquanto os sintomas depressivos
foram mais frequentes nos estudantes do primeiro ano do ensino médio (ORaj=1,92;
IC95%=1,22-3,00) e nos estudantes de escolas públicas (ORaj=1,43; IC95%=1,06-
1,93). A dependência de Internet também esteve associada à presença de sintomas
ansiosos (ORaj=0,22; IC95%=0,22-0,36) e depressivos (ORaj=0,60; IC95%=0,42-
0,87) e à baixa autoestima (ORaj=0,66; IC95%=0,50-0,87). A associação com o uso
experimental de álcool e outras drogas foi percebida nos adolescentes de raça/cor
preta (ORaj=1,39; IC95%=1,00-1,94) e com ansiedade provável (ORaj=1,39;
IC95%=1,09-1,78). Também foram encontradas associações nos usuários abusivos
de álcool e outras drogas com o sexo masculino (ORaj=1,4; IC95%=1,00-1,94), a
classe social A-B (ORaj=1,56; IC95%=1,05-2,33), o trabalho de forma remunerada
(ORaj=1,55; IC95%=1,19-2,04), a ansiedade provável (ORaj=2,57; IC95%=1,84-
3,60) e a dependência de Internet (ORaj=1,95; IC95%=1,49-2,56). Além disso, os
resultados mostraram que a chance de ser dependente de substâncias psicoativas
aumenta quando o adolescente é dependente de Internet (ORaj=2,16; IC95%=1,46-
3,20), com ansiedade provável (ORaj=3,45; IC95%=2,08-5,71) e depressão possível
(ORaj=1,60; IC95%=1,05-2,43). Os resultados demonstram que há a necessidade
da construção de políticas públicas que foquem na educação de adolescentes e
familiares e na proteção com foco nos mais susceptíveis. A dependência de Internet
está associada aos adolescentes mais jovens, que passavam quatro ou mais horas
por dia navegando e aos que utilizavam Internet todos os dias da semana, bem
como aos que usam o Twitter e às razões subjetivas de uso (lazer e socialização).
Além disso, houve associação também com sintomas de ansiedade, depressão e
com a baixa autoestima, bem como com o uso de substâncias psicoativas.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105