Correlação do clearance de creatinina e dos eletrólitos medidos na urina coletada em 12 e 24 horas em nefropatas.

Nome: Priscila Santos da Rosa
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 20/04/2012
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Maria del Carmen Bisi Molina Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Maria del Carmen Bisi Molina Orientador

Resumo: A avaliação clínica da função renal é parte importante da prevenção e
monitoramento da doença renal crônica (DRC); para tal, a avaliação do clearance de
creatinina ainda é muito utlizada na prática dos serviços de saúde e em estudos
epidemiológicos, porém sua realização por meio da coleta urinária de 24 horas se
mostra pouco prática para indivíduos ativos. A coleta urinária noturna de 12 horas é
uma alternativa já utilizada em estudos epidemiológicos em populações sem
disfunção renal conhecida. Objetivo: Validar o protocolo de avaliação do clearance
de creatinina e da excreção urinária de eletrólitos por meio da coleta urinária noturna
de 12 horas em portadores de DRC. Métodos: 64 portadores de DRC voluntários
(19-88 anos) coletaram urina durante 24 horas em dois frascos: diurno (das 7h às
19h) e noturno (das 19h às 7h do dia seguinte). A coleta de sangue se deu em jejum
para medidas bioquímicas. A correlação entre as variáveis foi feita pelo teste
Pearson (r) e a concordância de medidas, pelo teste de Bland-Altman. Resultados:
Cinco indivíduos foram excluídos por erro de coleta. Dos 59 indivíduos (31 homens),
60% se enquadravam nos estágios 2 e 3 de DRC. As correlações entre a urina
noturna e de 24 horas foram fortes em relação aos eletrólitos (Na+ r= 0,80; K+ r=
0,80; Ca2+, r= 0,86; p< 0,001) e ao ClCr (r= 0,92; p< 0,001). Em 54 dos 59 sujeitos o
ClCr 12h noturno foi concordante com o de 24 horas. Conclusão: A coleta urinária
noturna de 12 horas fornece valores de ClCr e de excreção de eletrólitos
semelhantes aos obtidos em coleta de 24 horas em indivíduos com
comprometimento renal. Uma vez que apresenta vantagens de ordem prática aos
pacientes de nível ambulatorial, esta pode ser utilizada em protocolos de avaliação
da função renal.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105