Integralidade na Gestão em Saúde: a voz dos Gestores

Nome: Bela Feiman Sapiertein Silva
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 30/03/2012
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
GLADYS AMELIA VELEZ BENITO Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
GLADYS AMELIA VELEZ BENITO Orientador

Resumo: A integralidade constitui-se em um princípio e uma diretriz para a organização do SUS, sua efetivação perpassa por uma série de tensões e conflitos que envolvem a compreensão da saúde enquanto direito e a lógica do mercado vigente que afeta o campo da gestão em saúde. A gestão municipal de saúde por um lado é desafiada a mediar interesses e por outro, confere a potência de produzir iniciativas singulares que contribuam para efetivação da integralidade. O estudo pretende conhecer as representações sociais dos gestores que atuam na microrregião São Mateus sobre a integralidade, a partir de suas práticas de gestão. Entrevistou-se 16 gestores municipais a partir de um questionário semiestruturado, com apresentação de temas sobre seu cotidiano de trabalho. Utiliza a abordagem metodológica da pesquisa
qualiquantitativa. A análise dos dados foi por meio da técnica do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC), baseado na teoria das representações sociais e teve como recurso de apoio, o programa Qualiquantisoft. Os discursos-sínteses descrevem as ideias centrais e as ancoragens identificadas nas entrevistas; estes presentaram-se em
três com sentidos interligados e indissociáveis: a) integralidade relacionada às práticas e à organização dos serviços; b) integralidade relacionada à forma de perceber os indivíduos e, c) integralidade relacionada ao envolvimento do trabalhador e usuário. Verifica-se que há um entendimento da necessidade de integração entre setores, profissionais, diversas secretarias e entes federados. Existe o reconhecimento de que os problemas da saúde extrapolam o conceito
biomédico e, as práticas de escuta, acolhimento e vínculo e, o envolvimento dos usuários e trabalhadores contribui para efetivação da integralidade. Porém, mesmo diante de iniciativas pontuais, se observam contradições que indicam a manutenção do modelo médico assistencial. Aponta as dificuldades e limitações, relacionadas com fatores macro-organizacionais e questões no âmbito municipal. Estes gestores
por meio de certo conformismo e sentimento de impotência reproduzem em suas práticas as tensões e contradições do contexto atual mostrando fragilidade na implementação da integralidade nas práticas de gestão.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105