Avaliação do Risco Cardiovascular e Ações de Saúde em Hipertensos Atendidos em uma Unidade de Saúde da Família de Vitória - ES

Nome: Viviane Rassele Silva
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 13/08/2010
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Nagela Valadão Cade Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Maria del Carmen Bisi Molina Examinador Interno
Nagela Valadão Cade Orientador
Sheilla Diniz Silveira Bicudo Examinador Externo

Resumo: As doenças cardiovasculares (DCV) constituem a principal causa de morte em todo o
mundo, principalmente devido ao evento coronariano agudo e ao acidente vascular
encefálico, e os fatores de risco para as DCV devem ser conhecidos, monitorados e
tratados. A classificação do risco cardiovascular é útil para esse monitoramento, e a escala
de Framingham é um dos instrumentos utilizados para essa classificação. Objetivo: avaliar
o risco para desenvolvimento de evento coronariano agudo de acordo com os critérios de
Framingham e as ações de saúde realizadas em hipertensos atendidos na Unidade de
Saúde da Família de Maruípe, em Vitória, ES. Material e Métodos: estudo observacional,
de corte transversal com 330 hipertensos. O cálculo da amostra considerou prevalência de
50% e população de 2676 sujeitos. Os dados foram coletados dos prontuários e as variáveis
constituíram o risco coronariano e aquelas utilizadas para cálculo desse risco - sexo, idade,
tabagismo, colesterol total, HDL-colesterol, diabetes mellitus, pressão arterial - e variáveis
relacionadas às ações de saúde desenvolvidas com os hipertensos. Para comparar o risco
coronariano com os fatores de risco estudados, foi utilizado o teste qui-quadrado; para a
comparação da pressão arterial, foram utilizados ANOVA e o teste t pareado, e para
determinar os fatores mais relevantes para o risco coronariano, utilizou-se a regressão
logística, todos com nível de significância 5%. Resultados: apresentaram baixo risco de
infarto ou morte por doença coronariana, nos próximos 10 anos, 115 (34,8%), médio risco,
67 (20,4%) e alto risco, 148 (44,8%) sujeitos. As variáveis utilizadas pelo escore de
Framingham se mostraram significantemente associadas ao risco coronariano, e aquelas
que se mantiveram no modelo de regressão logística foram: a idade (RC=1,04 IC95%1,02-
1,06; p 0,000); o tabagismo (RC=1,98 IC95% 0,99-3,94; p 0,051); a pressão arterial sistólica
(RC= 1,02 IC95%1,01-1,03; p 0,000) e o HDL-c (RC= 0,96 IC95%0,94-0,98; p 0,000).
Conclusão: O estudo permitiu conhecer o risco e a contribuição de alguns fatores sobre
esse risco; discussões sobre o cuidado prestado e a organização de uma Unidade de Saúde
da Família. O uso da classificação de risco de Framingham ajuda nessa organização e na
intervenção terapêutica e é de fácil utilização na prática clínica.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105