"O Cotidiano como Promotor de Vínculos: O Caso da USF Santa Martha, Vitória-ES"

Nome: Rachel Cristine Diniz da Silva
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 18/06/2009
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Maristela Dalbello de Araujo Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Maristela Dalbello de Araujo Orientador
Marta Zorzal e Silva Examinador Interno
Túlio Batista Franco Examinador Externo

Resumo: Este estudo teve como objetivo analisar as relações, construídas ao longo dos
últimos três anos, entre os profissionais da USF de Santa Martha, Vitória-ES, e a
população a ela adscrita, visando a identificar se os serviços disponibilizados
atendem às necessidades de saúde dessa população, e se esse serviço se
configura como porta de entrada do sistema de saúde. Para a consecução dos
objetivos, adota a abordagem qualitativa, pois valoriza a opinião e capta as
particularidades das relações construídas entre os diferentes personagens que
constituem essa trama. Utiliza entrevistas com roteiro semi-estruturado, individuais e
coletivas, analisadas por meio da técnica do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC), que
permite evidenciar o pensar expresso, de forma discursiva, de um conjunto de
sujeitos sobre um determinado assunto. Compõem o DSC cinco profissionais, sete
agentes comunitários de saúde e quatorze usuários desse serviço. A análise
evidenciou que a unidade vem se configurando como porta de entrada para o
acesso aos serviços do sistema de saúde, embora a rede de serviços ainda não
esteja articulada de forma a garantir integralmente o atendimento às necessidades
de saúde dessa população, quando essas demandam um maior nível de
complexidade. A presença da ESF nesse território, embora inicialmente tenha
gerado conflitos com a população que desejava na verdade um serviço de prontoatendimento,
atualmente tem recebido uma boa avaliação por parte dos usuários,
que referem que o vínculo instituído pelas relações cotidianas, o conhecimento do
ambiente familiar e do meio-ambiente em que vivem favorecem uma melhor
compreensão por parte dos profissionais sobre suas necessidades de saúde e
consequentemente a resolutividade das mesmas. Ainda falando de vínculo, os
usuários citam os ACS como importante elo com a unidade de saúde, pois, com a
ESF, passaram a ter alguém pra conversar sobre suas necessidades. O processo
de acolhimento instituído nessa unidade, cobrindo todo seu horário de
funcionamento, também vem facilitando o acesso dos usuários, principalmente no
atendimento às urgências, apesar de sua configuração atual ainda não estar
adequada, causando certa insatisfação, tanto por parte dos profissionais como da
população, que, inclusive, fazem propostas de melhoria. Finalizando, observa-se
que a ESF, através de seus princípios, traz um novo olhar sobre a população de um
território, fazendo com que a população também se sinta mais segura ao ter
profissionais de referência a que pode recorrer. Porém, como tudo que é novo, fazse
necessário alguns ajustes, principalmente nos processos de trabalho e
articulação das redes de serviço, para que efetivamente haja por parte da ESF
contribuição para a melhoria da qualidade de vida da população.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105