NARRATIVAS DE MULHERES COM GESTAÇÃO DE ALTO RISCO EM TEMPOS DE PANDEMIA DE COVID-19: DESAFIOS PARA A HUMANIZAÇÃO DO CUIDADO

Nome: Mayara Ciciliotti da Silva
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 28/09/2021
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Maria Angelica Carvalho Andrade Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Francis Sodré Suplente Interno
Gilead Marchezi Tavares Examinador Externo
Luziane de Assis Ruela Siqueira Coorientador
Maria Angelica Carvalho Andrade Orientador
Rita de Cássia Duarte Lima Examinador Interno
Sibelle Maria Martins de Barros Suplente Externo

Resumo: As propostas de redefinição das práticas de pré-natal e assistência ao parto no país

durante a pandemia trouxeram à tona os múltiplos sentidos do risco, podendo-se des-
tacar a inclusão de todas as gestantes e puérperas no “grupo de risco” para a Covid-
19 e a implementação de protocolos sanitários mais rígidos e a restrição de acompa-
nhantes. Apesar do avanço da produção de conhecimento científico sobre o parto e o

nascimento, esse processo possibilitou a preponderância da narrativa do prontuário
pautada em fatos clínicos em detrimento de espaços de troca para falarem das suas
experiências a partir dos seus pontos de vista sobre os processos de luta e resistência
que não começaram nem terminariam durante a hospitalização. Com isso, propôs-se
compartilhar as narrativas de mulheres com diagnóstico de gestação de alto risco que

se encontravam internadas em uma Maternidade da cidade de Vitória (ES) no con-
texto da pandemia de Covid-19. Para tal, inspirado na aposta metodológica das Es-
crevivências cunhada por Conceição Evaristo, participaram do estudo 22 mulheres e

suas histórias foram apresentadas através do gênero literário de contos, trazendo a

irrupção da pandemia como um analisador das práticas de cuidado prestadas às mu-
lheres com gestação de Alto Risco em hospitalização. A partir dessa experiência de

encontro com mulheres e suas narrativas foram propostas três linhas de análise: con-
cepções de cuidado e maternidade; papel social da identidade mulher-mãe; e projetos,

protagonismos e resistências. Os resultados do estudo apontaram que a pandemia

trouxe a cronificação de desafios já existentes, como discriminações de gênero e po-
líticas que perpetuam o sexismo e o racismo estrutural. Diante disso, é possível assi-
nalar os efeitos da pandemia na ameaça na garantia dos direitos reprodutivos de mu-
lheres e principalmente em sociedades em que gravidez e nascimento foram medica-
lizados, tendo o risco como conceito-chave. Assim, aponta-se para a importância das

práticas de cuidado que preconizam a escuta ativa, o protagonismo de mulheres e de
todos os atores envolvidos, para que se fique às voltas com a cronificação de desafios
já conhecidos e que ainda não foram superados.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105