RESISTÊNCIA INSULÍNICA POR ÍNDICE TYG: UM ESTUDO EM AGRICULTORES DO ESPÍRITO SANTO

Nome: Júlia Rabelo Santos Ferreira
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 21/05/2021
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Luciane Bresciani Salaroli Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Edson Theodoro dos Santos Neto Suplente Interno
Eliana Zandonade Examinador Interno
José Luiz Marques Rocha Suplente Externo
Luciana Bronzi de Souza Examinador Externo
Luciane Bresciani Salaroli Orientador

Resumo: INTRODUÇÃO: As populações rurais têm passado por transformações inerentes ao trabalho
que afetam suas condições de vida e saúde e aumentam a prevalência de doenças
cardiovasculares. A presença concomitante de excesso de peso, hipertensão arterial,
hiperglicemia e dislipidemia constitui a Síndrome Metabólica (SM), que tem como elo a
Resistência Insulínica (RI). O método padrão-ouro para determinação da RI é caro e invasivo,
nesse sentido foi desenvolvido o índice de triglicerídeos/glicose (TyG), de menor custo e que
utiliza parâmetros aferidos rotineiramente. Assim, o objetivo dessa dissertação foi identificar o
ponto de corte do Índice TyG segundo componentes da SM e estimar sua prevalência e fatores
associados em trabalhadores rurais do Espírito Santo. METODOLOGIA: Trata-se de estudo
transversal de base populacional desenvolvido com agricultores familiares da cidade de Santa
Maria de Jetibá/ES. O índice TyG foi calculado a partir da equação: Ln [triglicerídeos de jejum

(mg/dL) x glicemia de jejum (mg/dL)]/2, e a SM foi definida mediante os critérios NCEP-
ATPIII e IDF. A curva característica de operação do receptor (ROC) da SM foi criada e o ponto

de corte para RI foi elucidado pela área sob a curva (AUC) e pelo Índice de Youden.
RESULTADOS: A amostra foi composta por 790 indivíduos, dos quais 52,3% eram do sexo
masculino (N=413), 29,2% estavam na faixa etária de 31 a 40 anos (N=231), 67,5% possuíam
menos de 4 anos de estudo (N=533), 88,9% eram de etnia branca (n=702). Os valores medianos
de TyG foram maiores dentre os indivíduos diagnosticados com SM (p<0,001), e aumentaram
conforme agregação dos componentes da SM. O ponto de corte do TyG foi de Ln 4,52, com
sensibilidade de 82,96% e especificidade de 76,76%. A prevalência de RI foi de 33,8%
(N=267). O TyG se associou à faixa etária (p<0,001), índice de massa corporal (p<0,001) e
escolaridade (p=0,048). A faixa etária de 31 a 40 anos (OR=1,723; IC95% 1,02-2,89; p=0,040),
41 a 50 anos (OR=3,357; IC95% 1,95-5,75; P<0,001) e mais de 50 anos de idade (OR=2,535;
IC95% 1,43-4,48; p=0,001), escolaridade (OR=2,290; IC95% 1,27-4,09; p=0,005), tabagismo
(OR=1,859; IC95% 1,01-3,93; p=0,043) e excesso de peso (OR=3,822; IC95% 2,66-5,48; p<0,)
aumentaram significativamente a chance de apresentar RI.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105