Avaliação da orientação profissional relacionada ao exame bacteriológico de escarro em unidades de saúde do município de Vitória/ ES

Nome: Dijoce Prates Bezerra
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 25/04/2013
Orientador:

Nomeordem crescente Papel
Ethel Leonor Noia Maciel Orientador

Banca:

Nomeordem crescente Papel
Ethel Leonor Noia Maciel Orientador

Resumo: A infecção da tuberculose representa um sério problema de saúde pública, podendo
um paciente bacilífero transmitir a doença para, em média, 12-15 pessoas por ano.
Para o efetivo controle da tuberculose, é necessário detectar, identificar e quantificar
precocemente o seu agente causador através dos métodos diagnósticos:.
baciloscopia e cultura de micobactérias. A orientação profissional adequada torna-se
imprescindível para evitar falhas no processo diagnóstico, como o aumento das
taxas de contaminação e diminuição da sensibilidade dos testes. Assim, o estudo
tem como objetivos analisar o conhecimento do profissional de saúde relacionado
aos procedimentos de coleta, transporte e armazenamento do escarro em unidades
de saúde do município de Vitória/ES e avaliar a completude do preenchimento da
ficha de requisição do exame. Os resultados do estudo foram divididos em dois
artigos: o primeiro estudo, de corte transversal, foi realizado a partir de uma amostra
de 251 profissionais lotados em 12 unidades de saúde do município de Vitória. A
amostra foi dividida em dois grupos: o grupo com PCT, incluindo as unidades que
possuem o Programa de Controle de Tuberculose e o grupo sem PCT, englobando
as unidades que não o possuem. Foram aplicados o Teste Não-Paramétrico de
Mann Whitney, Qui-quadrado de Pearson e Razão de Chances, considerando como
estatisticamente significante o p-valor <0,05. Os odds ratios brutos e ajustados foram
calculados pelo modelo de regressão logística. Em relação às orientações dadas
pelos profissionais das unidades com PCT quando comparadas aos das sem
PCT para coleta, transporte e armazenamento do exame de escarro, das dezenove
variáveis, apenas três obtiveram diferença estatisticamente significante: escarrar
diretamente dentro do frasco (p: 0,031), coletar em frasco identificado (p: 0,015) e
colocar a amostra em geladeira (p: 0,016). Os resultados sugerem a carência de
conhecimento específico sobre o exame bacteriológico de escarro, tanto dos
profissionais de saúde que trabalham diretamente com o controle da TB, quanto dos
profissionais que trabalham na Atenção Primária em Saúde, tornando evidente a
necessidade de qualificação destes profissionais a fim de assegurar a confiabilidade
deste método diagnóstico. No segundo estudo, foi utilizada uma amostragem de 181
requisições de duas unidades de saúde de referência para o tratamento de
tuberculose do município de Vitória. Para avaliação da completude do
preenchimento dos campos, foram analisadas as seguintes variáveis: nome
completo do paciente (97,81% de completude), tipo de amostra (97,27%), solicitação
do nome da mãe (96,72%), dados para a localização do paciente (96,72%),
solicitação da idade do paciente (85,25%) e solicitação do documento do paciente,
com a menor porcentagem de preenchimento (42,27%). A completude foi
considerada Boa em 85,2% das requisições, Regular em 14,3% e Ruim em 0,5%
das requisições. As informações presentes na requisição do exame de escarro
apresentaram alto grau de completude, sugerindo o preenchimento adequado e
oportuno das variáveis, exceto na solicitação do documento do paciente para o
preenchimento, o que ainda deve requerer a atenção do profissional a fim de
assegurar a qualidade e o processamento posterior do dado.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105