Análise da correlação entre índices de controle vetorial e coeficientes de incidência de dengue no município de Anchieta, Espírito Santo, Brasil, 2009 a 2011

Nome: Gabriel Pitanga Soneghet
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 28/03/2013
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Crispim Cerutti Junior Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Crispim Cerutti Junior Orientador

Resumo: Introdução: a dengue é uma das arboviroses mais difundidas, sendo a doença viral transmitida por mosquito com maior velocidade de propagação. Este estudo tem como objetivo analisar a correlação entre índices de controle vetorial e coeficientes de incidência de dengue no município de Anchieta, Espírito Santo, Brasil, no período de 2009 a 2011. Materiais e Métodos: estudo observacional do tipo ecológico com base nas notificações de casos de dengue, no índice de infestação predial (IIP) e no percentual de pendência na inspeção de imóveis. Foi utilizado o teste de correlação de Spearman para análise de correlação e de Poisson para regressão. O nível de significância foi estabelecido em 5%. Resultados: Houve correlação entre os índices de infestação predial e os coeficientes de incidência de dengue no município de Anchieta quando essas variáveis foram incorporadas ao modelo de regressão de Poisson, embora permanecesse um resíduo correlacionado com o tamanho da população (r = 0,643 e p< 0,05) na localidade. Houve correlação entre o percentual de pendências e os coeficientes de incidência de dengue, no município de Anchieta, tanto isoladamente (r = 0,486 e p<0,001) quanto quando incorporado ao modelo de regressão de Poisson. Na análise de regressão, o aumento de uma unidade no IIP aumentaria a incidência da doença em 39%. Conclusão: Foi encontrada correlação entre índices de Infestação Predial pelo Aedes aegypti e pendência no município de Anchieta. Conclui-se que quanto maior o tamanho da população, menores deverão ser os valores de infestação predial capazes de influenciar a incidência da dengue. A relação entre número de vetores e número de casos sofre a interferência de variáveis como suscetibilidade humana e oportunidade de repasto sanguíneo, e esta relação aumenta proporcionalmente com o aumento da população

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105