Comportamento suicida e transtornos mentais: resultados do estudo epidemiológico São Paulo Megacity

Nome: Dayana Pereira Justiniano
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 18/09/2020
Orientador:

Nome Papelordem decrescente
Maria Carmen Moldes Viana Orientador

Banca:

Nome Papelordem decrescente
Evandro da Silva Freire Coutinho Examinador Externo
Edson Theodoro dos Santos Neto Examinador Interno
Maria Carmen Moldes Viana Orientador
Daniela Reis e Silva Suplente Externo
Franciéle Marabotti Costa Leite Suplente Interno

Resumo: A associação entre transtornos mentais e comportamento suicida tem sido
amplamente reportada. Entretanto, estudos sobre a sequência temporal da
incidência dos transtornos mentais e o início do comportamento suicida são
escassos. Assim, este estudo objetivou identificar a temporalidade entre o início
dos transtornos mentais e o início do comportamento suicida em uma amostra
comunitária. Os dados são do São Paulo Megacity Mental Health Survey, um
estudo de base populacional que avaliou uma amostra probabilística (n= 5.037)
de adultos residentes na Região Metropolitana de São Paulo (SPMA), Brasil. Os
dados foram coletados por entrevistadores leigos treinados entre maio de 2005
e abril de 2007, com uma taxa de resposta global de 81,3%. Os transtornos
mentais (transtornos de humor, ansiedade e por uso de substâncias) e o
comportamento suicida (ideação, plano e tentativa) foram avaliados utilizando o
Composite International Diagnostic Interview (CIDI 3.0), gerando diagnósticos de
acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais - Quarta
Edição (DSM-IV). Os participantes foram categorizados da seguinte forma: início
do transtorno mental antes do início da ideação/plano/tentativa, início do
transtorno mental concomitante ao início da ideação/plano/tentativa e início do
transtorno mental posterior ao início da ideação/ plano/tentativa. Foi calculada a
proporção de indivíduos nas categorias e estimados seus respectivos intervalos
de confiança de 95%. A média e o erro padrão das diferenças entre o início do
transtorno mental e o início do comportamento suicida também foram calculados.
As proporções de transtornos mentais que tiveram seu início anterior à ideação
variaram de 34,3% (para transtorno depressivo maior) a 90,2% (para fobia
específica). O início do transtorno depressivo maior ocorreu no mesmo ano do
início da ideação e do plano suicida em quase um terço dos indivíduos. As
proporções de transtornos mentais que tiveram seu início posterior à tentativa de
suicídio foram maiores para o transtorno do pânico (31,1%), TOC (31,6%), TEPT
(38,4%), dependência de álcool (43,5%), abuso de drogas (49,0%) e TDM
(39,0%). A média de tempo entre o início dos transtornos mentais e o
subsequente início do comportamento suicida foi superior a quatro anos para
todos os transtornos. O cuidado adequado a indivíduos com transtorno mental
pode prevenir com sucesso o comportamento suicida. O início do
comportamento suicida e da depressão são simultâneos em uma proporção

maior de indivíduos afetados, como parte do quadro clínico, tornando obrigatória
a investigação aprofundada da ideação suicida, plano e tentativas anteriores em
ambientes clínicos.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105