Summary: Apesar de a tuberculose ser uma das mais importantes causas de morbi-mortalidade no mundo (WHO, 2015), ela continua sendo um problema negligenciado nos países em desenvolvimento. O Brasil é um pais caracterizado por muitos contrastes e existem muitos problemas que devem ser equacionados devido a essa imensa extensão territorial e quantidade de habitantes. Há muitas discrepâncias entre as diferentes regiões do país. No caso da TB, é uma tarefa difícil, ter um programa de controle da doença centralizado que deve propor medidas que se destinem a todo o território nacional. A tuberculose (TB) por ser uma doença infecciosa, é extremamente relacionada à desigualdade social. Enarson e colaboradores (1995), inferem que os fatores de risco da Tuberculose está intimamente relacionados com a dimensão social da população. Considerando a grande extensão territorial do país e as suas diversidades (políticas, econômicas, culturais, modos de vida,...), associado aos municípios prioritários das doenças e as flutuações aleatórias da estatística espacial em áreas com pequenas populações.
O objetivo desse trabalho é Analisar a presença de efeitos espaciais da Tuberculose no Brasil. O conhecimento da distribuição espacial dos casos de tuberculose no Brasil, possibilitará inferências temporais da época de ocorrência da transmissão e da existência de “clusters” da doença além de relacioná-los com algumas variáveis sociais. Estes dados por sua vez irão permitir a identificação e a caracterização de áreas de risco de transmissão da TB e o grau de efeito dos determinantes sociais da saúde sobre a doença.

Starting date: 2016-11-11
Deadline (months): 62

Participants:

Rolesort descending Name
Coordinator * Ethel Leonor Noia Maciel
Researcher * Thiago Nascimento do Prado
Researcher * Adelmo Inacio Bertolde
Researcher * Carolina Maia Martins Sales
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105