A PRÁTICA DA INTEGRALIDADE: caminhos (com) sentidos

Nome: Luanna Del Carmen Barbosa Mattanó
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 15/08/2013
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Maristela Dalbello de Araujo Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Maristela Dalbello de Araujo Orientador

Resumo: A Integralidade, uma das diretrizes do Sistema Único de Saúde, constitui-se em uma
recusa ao reducionismo e à objetivação do sujeito e impõe o diálogo na relação
intersubjetiva. Trata-se de bandeira de luta, mobilização e exercício de humanidade
e está ligada à constituição de sentido para os profissionais da saúde como um
valor. O valor dá sentido ao mundo e por meio dele, as escolhas, caminhos, práticas
e finalidades das ações são definidas. Assim, as práticas são encaminhadas a partir
dos valores constituídos subjetivamente, por meio da valorização e revalorização
das experiências cotidianas. Há, portanto, uma inseparabilidade entre valor e prática
da integralidade. A construção de uma realidade integral na atenção ao usuário
viabiliza-se por meio do exercício cotidiano das práticas profissionais e através de
um aprendizado contínuo, aliado à abertura ao diálogo entre diversos profissionais e
a comunidade. Esta pesquisa visou analisar as práticas dos profissionais de saúde,
buscando compreender como exercem a integralidade. Analisamos, a partir do
diálogo com trabalhadores, os caminhos, as estratégias e as dificuldades para a
consolidação da prática da integralidade no cotidiano. Realizamos seis sessões de
grupo focal e da leitura de sua transcrição elegemos três temas destacados através
do Mapa de Associação de Idéias proposto por Spink (1999). A partir deles
construímos três contos que ilustram as opiniões e formas de vivenciar a
integralidade pelos trabalhadores. Os contos, tais como histórias, permitem uma
melhor aproximação das realidades, possibilitando que o leitor perceba todos os
aspectos presentes nas situações postas. A análise destaca a falta de diálogo, a
rotina, a necessidade de cumprir metas baseadas em procedimentos e o conceito de
saúde como ausência de doença como os principais entraves para o alcance da
integralidade. Em contrapartida, apontamos que a interdisciplinaridade, o
embasamento em valores humanizados, a promoção da saúde e uma formação que

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105