Excesso de peso em crianças de áreas urbana e rural do Espírito Santo: uma análise multinível

Nome: Fabiola Naomi Eto
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 18/04/2013
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Maria del Carmen Bisi Molina Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Maria del Carmen Bisi Molina Orientador

Resumo: O excesso de peso em crianças é um agravo verificado mundialmente e constitui um importante desafio para a Saúde Pública devido a sua magnitude e comorbidades associadas, além do risco do desenvolvimento de doenças cardiovasculares e obesidade na vida adulta. Estudos mostram que diferentes situações familiares, sociais e ambientais influenciam o estado nutricional das crianças, além disso, o contexto da sociedade moderna tem contribuído para o desenvolvimento de um ambiente cada vez mais obesogênico, favorecendo o aumento continuado do excesso peso. O objetivo desse estudo foi analisar os fatores individuais, familiares e contextuais associados ao excesso de peso em crianças de 7 a 10 anos residentes em municípios urbano e rural do Estado do Espírito Santo. Os dados analisados foram provenientes do banco de dados do Estudo SAÚDES, realizado no município de Vitória e Santa Maria de Jetibá. Foi realizada análise de regressão logística multinível, sendo estabelecidos três níveis de análise: o primeiro nível referente à criança, o segundo ao domicílio/família e o terceiro ao município. A amostra foi constituída de 1748 crianças, sendo 1236 oriundas do município urbano e 512 do rural. A prevalência do excesso de peso (sobrepeso e obesidade) foi mais elevada em crianças do município urbano (23,7%) em relação às do rural (12,7%). No município urbano, estiveram diretamente associados ao excesso de peso em crianças o nível médio de escolaridade da mãe (entre 9 e 12 anos de estudo; OR=1,83, p=0,006) e ser filho único (OR=1,39, p=0,038). No município rural foram diretamente associados ao excesso de peso nas crianças o hábito de não realizar desjejum (OR=2,30, p=0,046) e a escolaridade da mãe (de 9 a 12 anos de estudo; OR=2,40, p=0,032 e acima de 12 anos de estudo; OR=2,74, p=0,049). A prevalência de excesso de peso na amostra foi elevada e acompanha tendência observada mundialmente. O excesso de peso se mostrou associado a fatores individuais e familiares, entretanto, em relação à atribuição de cada nível para a predição do excesso de peso, foi constatado que o modelo multinível proposto não evidenciou diferenças significativas na probabilidade de crianças com características semelhantes (em nível de domicílio/família), mas residentes em regiões distintas, terem ou não excesso de peso.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105