Desigualdades na Distribuição da Cárie Dentária aos 12 Anos no Brasil.

Nome: Verúcia Frizzera Musso
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 27/03/2008
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Adauto Emmerich Oliveira Orientador
Eliana Zandonade Co-orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Adauto Emmerich Oliveira Orientador
Aloísio Falqueto Examinador Interno
Eliana Zandonade Coorientador
José Leopoldo Ferreira Antunes Examinador Externo

Resumo: Objetivo: Analisar as desigualdades na distribuição da cárie dentária entre crianças
brasileiras na idade de 12 anos, caracterizando, nos planos individual e municipal, o
grupo mais atingido pela doença. Método: Trata-se de um estudo de natureza
quantitativa que utilizou dois desenhos. No primeiro, as unidades de análise foram
indivíduos e no segundo, as unidades de análise foram agregados populacionais em
municípios. A variável de desfecho foi o índice CPOD categorizado em 2 grupos: o
grupo com maior severidade de cárie dentária e o grupo com menor severidade de
cárie dentária. As medidas de experiência de cárie dentária foram obtidas dos
levantamentos epidemiológicos de saúde bucal realizados no Brasil em 1986 e em
2002-2003. As informações sobre características socioeconômicas municipais foram
obtidas no Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil. Resultados: Em 2003, no
estudo de nível individual, o valor do índice CPOD aos 12 anos no grupo com maior
severidade de cárie dentária foi 6 vezes maior que a média do CPOD no restante da
população. A desigualdade na distribuição de cárie dentária, medida pelo coeficiente
de Gini, aumentou 67,7% entre 1986 e 2003. O grupo com maior severidade de
cárie dentária foi significativamente associado à condições sociodemográficas.
Crianças do sexo feminino, estudantes de escolas públicas, estudantes de escolas
localizadas em zona rural, residentes em municípios: sem água de abastecimento
fluoretada, com porte menor que 100 mil habitantes e localizados na região Centro-
Oeste apresentaram maior prevalência de CPOD > 4. No nível municipal, em 2003,
a média do índice CPOD aos 12 anos nos municípios do grupo com maior
severidade de cárie dentária foi 2 vezes maior que no restante dos municípios. Os
municípios com maior severidade de cárie dentária apresentaram piores perfis de
condições socioeconômicas e de provisão de água de abastecimento fluoretada.
Apenas uma variável, o tempo de fluoretação das águas de abastecimento,
correlacionou significativamente com o CPOD no grupo com maior severidade de
cárie dentária. No grupo com menor severidade de cárie dentária, a análise de
regressão linear múltipla, identificou apenas o tempo de fluoretação das águas de
abastecimento e o percentual de domicílios ligados à rede geral de abastecimento
de água como estatisticamente significantes com a variação do CPOD. Conclusão:
Os resultados deste estudo evidenciam grandes diferenças na experiência de cárie
dentária aos 12 anos no Brasil. Nesse sentido, destaca-se a necessidade de se
conhecer o perfil da doença em unidades menores como os municípios. Reafirma-se
o importante papel da água fluoretada no controle da doença e sugere-se, com base
nas desigualdades observadas, que as políticas públicas de saúde bucal no Brasil
sejam adequadas à magnitude das desigualdades identificadas, pois não apreender
as diferenças entre populações pode significar a padronização das mesmas políticas
de saúde para todos.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105