Risco Cardiovascular em Vegetarianos Onívoros.

Nome: Rita de Cássia Moreira de Almeida Teixeira
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 01/09/2005
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Maria del Carmen Bisi Molina Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Dóra Chor Examinador Externo
Maria del Carmen Bisi Molina Orientador

Resumo: O aumento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) vem sendo associado às mudanças do estilo de vida, principalmente aquelas relacionadas com a alimentação e o sedentarismo. Sobre esse tema, há considerável evidência epidemiológica sugerindo que a alimentação vegetariana está associada ao baixo risco para essas doenças, em particular para as doenças cardiovasculares (DCVs). Para a avaliação do risco cardiovascular (RCV) em vegetarianos (VEGs) e onívoros (ONIs), foi realizado estudo de coorte histórico com 201 indivíduos (35 a 64 anos). Foram incluídos na pesquisa 67 VEGs há no mínimo cinco anos, provenientes da Grande Vitória e 134 ONIs do Projeto MONICA/WHO/Vitória, pareados por classe socioeconômica, sexo, idade e raça/etnia. Dados dietéticos de três recordatórios de 24 horas, medidas antropométricas, bioquímicas e hemodinâmicas foram obtidos na Clínica de Investigação Cardiovascular da UFES. O consumo estimado de Na+e k+ foi determinado pela coleta de urina de doze horas no período noturno. Para comparação de proporções, foi usado o teste X2 e, para médias, o teste t de Student. Foi calculado o risco relativo e quantificado o risco cardiovascular por meio do algoritmo de Framingham. A idade média do grupo foi 47+8 anos e o tempo médio de vegetarianismo 19+10 anos, sendo a dieta ovolactovegetariana seguida por 73% dos VEGs. A maioria dos participantes pertencia às classes B e C e a religião predominante foi a de Adventistas do Sétimo Dia. VEGs relataram menor ingestão de proteínas e gorduras de origem animal e maior de carboidratos e fibras. Pressão arterial, glicemia de jejum, colesterol total, LDL-c e triglicerídeos foram mais baixos entre os VEGs (P<0,001) e o risco de hipertensão foi aproximadamente 6,5 vezes maior entre os ONIs (IC95% 2,7-15,4; P<0,001). O HDL-c não foi diferente entre os grupos. Índice de Massa Corporal > 30kg/m2 (obesidade) não foi identificado em nenhum VEG. Entre os ONIs, 20% apresentaram obesidade e 38% sobrepeso. Na+ e Na/K também foram menores entre os VEGs, assim como a razão cintura/quadril. De acordo com o algoritmo de Framingham, os VEGs apresentaram menor RCV (P<0,001). A alimentação onívora desbalanceada, com excesso de proteínas e gorduras de origem animal, pode estar implicada em grande parte no desencadeamento de DCNTs, em especial na hipertensão, diabete e obesidade.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105