IMPACTO DAS MENSAGENS DE TEXTO COMO LEMBRETE NA ADESÃO ÀS CONSULTAS PARA REDUÇÃO DO ABSENTEÍSMO NA ATENÇÃO ESPECIALIZADA: UM ESTUDO ALEATORIZADO

Nome: Jonathan Grassi Rodrigues
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 30/03/2020
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Eliana Zandonade Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Ana Daniela Izoton de Sadovsky Examinador Externo
Carolina Fiorin Anhoque Coorientador
Edson Theodoro dos Santos Neto Examinador Interno
Eliana Zandonade Orientador
Geisa Fregona Carlesso Suplente Interno
Karla Anacleto de Vasconcelos Suplente Externo

Resumo: O absenteísmo do usuário às consultas representa um problema frequente
nos diversos segmentos do sistema de saúde. Fato esse que pode ser
reflexo das dificuldades de acesso a esses serviços, o que implica em perda
financeira para o sistema, bem como prejuízos na continuidade do
tratamento. Objetivando a elaboração de estratégias que visem dirimir esse
problema, se faz necessário reconhecer as principais causas do fenômeno. O
propósito deste estudo foi testar o impacto de um lembrete por mensagem
eletrônica de texto, via WhatsApp®, sobre a taxa de absenteísmo nas
consultas de subespecialidades pediátricas do Hospital Universitário
Cassiano Antônio Moraes (Universidade Federal do Espírito Santo, Brazil).
Esse ensaio clínico aleatorizado foi composto por dois grupos. O grupo
controle foi composto por sujeitos que não receberam o lembrete da consulta
por mensagem de texto, refletindo o padrão usual de cuidado. Os
participantes do grupo experimental receberam um aviso por WhatsApp® em
até 48 horas antes da consulta. Foram incluídos no estudo todos os usuários
agendados (primeira vez e retornos) para consulta em cardiologia pediátrica,
consulta em cirurgia pediátrica, gastroenterologia pediátrica e pediatria geral.
Foram excluídos os sujeitos que não possuíam telefone celular e usuários
cuja consulta estava programada para menos de dois dias. A comunicação
foi unidirecional e o usuário não conseguia retorno caso respondesse a
mensagem. Para as análises estatísticas foram construídas tabelas de dupla
entrada, com as variáveis do estudo e o desfecho (paciente compareceu
versus paciente faltou). Apresentou-se os percentuais e realizou-se o teste
Qui-quadrado de associação. O nível de significância estatística estabelecido
foi p= 0,05. Um total de 998 participantes foi incluído para a análise final: 579
consultas foram randomizadas no grupo experimental e 419 foram alocadas
no grupo controle. A amostra foi composta, majoritariamente, por pacientes
do sexo masculino, representando 59% dos participantes. A taxa de
absenteísmo no grupo experimental foi de 24% (n= 139/579) e no grupo
controle, 25,5% (n = 107/419), representando uma diferença de 1,5% (p =
0,580). No que diz respeito às variáveis sexo, especialidade, turno, tipo de
atendimento e município, verifica-se que não há uma associação com a

presença ou ausência nas consultas, evidenciadas pelo valor-p > 0,05. Em
relação aos dias da semana, a taxa de absenteísmo era particularmente mais
alta para consultas agendadas na segunda-feira, com 30% (p = 0,009). Os
resultados das análises do grupo controle mostraram que a taxa de
absenteísmo na segunda-feira foi estatisticamente significante (p = 0,003).
Em contrapartida, no grupo experimental, essa variável não apresentou
significância (p = 0,529). Por fim, não houve diferença nas taxas entre o
grupo experimental e o grupo controle para a variável dia da semana (p =
0,518). Globalmente, o uso de lembretes por mensagens de texto em estudos
com diferentes populações reduz a taxa de absenteísmo das consultas. No
entanto, nossas descobertas sugerem que o envio de mensagens de texto
via WhatsApp®, como lembretes de consulta, não é uma ferramenta eficaz
na redução do absenteísmo de subespecialidades pediátricas.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105