LESÃO RENAL AGUDA COM INÍCIO DE HEMODIÁLISE :PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO E AVALIAÇÃO DE SÉRIE DE CASOS COM ACOMPANHAMENTO APÓS ALTA HOSPITALAR

Nome: Alan Diniz Ferreira
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 25/04/2018
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Jose Geraldo Mill Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Jose Geraldo Mill Orientador

Resumo: O desenvolvimento de lesão renal aguda (LRA) é um indicador de mau prognóstico de pacientes hospitalizados e importante fator para progressão para doença renal crônica (DRC). A DRC é hoje um importante fator que contribui para mortalidade e custos com assistência à saúde. Portanto, é importante determinar os fatores presentes em pacientes com LRA e que contribuem para a mortalidade e evolução para DRC. Objetivo: Avaliar preditores de mortalidade em pacientes com LRA com evolução para TSR (Terapia de Substituição Renal) durante internação hospitalar e realizar acompanhamento dos sobreviventes 6 meses após a alta. Métodos: Estudo descritivo, observacional e prospectivo, em série de casos consecutivos incidentes em hemodiálise durante internação. Resultados: Inclusão de 80 casos, sendo LRA séptica (32 casos) e multifatorial (29 casos) as causas mais frequentes de LRA. Houve elevada freqüência de fatores de risco para DRC. A correlação entre a gravidade do paciente com predição de mortalidade pelo SAPSII (Simplified Acute Physilogy Score) não se mostra satisfatória, subestimando a mortalidade geral dos casos em TSR por LRA, que foi de 60% (48) com maior mortalidade nos pacientes que esperaram mais tempo pela avaliação do nefrologista. Dos sobreviventes (32), 11 (61%) seguiram em TSR. A análise de sobrevida durante a internação mostrou que a partir do início de TSR, não há diferença de risco de óbito entre os casos com creatinina basal até 1,5mg/dL ou maior que 1,5mg/dL (Long-Rank=1,084, p=0,29 HR=0,47, p=0,10). Na análise de seguimento não houve diferença no risco de óbito entre pacientes em TSR e sem TSR(HR=0,320, p=0,169). Foi registrada a ocorrência de 8 óbitos (25%) durante o seguimento após a alta.Conclusão: A mortalidade em LRA incidente em hemodiálise é alta. O valor da creatinina à admissão foi o principal marcador de mortalidade. A LRA é uma complicação grave, principalmente em pacientes internados e não deve ser negligenciada.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105