SEXUALIDADE, MATERNIDADE E ABORTO ENTRE ADOLESCENTES: PERCEPÇÕES E ATITUDES

Nome: Juliani da Silva Araujo Alves
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 29/05/2018
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Edson Theodoro dos Santos Neto Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Edson Theodoro dos Santos Neto Orientador

Resumo: O objetivo deste estudo foi analisar as atitudes face à sexualidade e as percepções sobre sexualidade, maternidade e aborto, segundo fatores socioeconômicos em adolescentes de 15 a 19 anos, estudantes do ensino médio, na Região Metropolitana da Grande Vitória/Espírito Santo (RMGV/ES). O presente estudo é um recorte de estudo maior, com amostragem aleatória, com um tamanho amostral de 2.292 estudantes. Trata-se de um estudo transversal realizado por meio de um inquérito epidemiológico de base escolar. Foi aplicado um formulário estruturado com questões fechadas em 54 escolas da Região Metropolitana da Grande Vitória – Espirito Santo (RMGV-ES), no período de agosto de 2016 a maio de 2017. Participaram da pesquisa estudantes do ensino médio que não possuíam deficiência cognitiva, auditiva ou visual. Para categorização do perfil socioeconômico dos adolescentes, foram utilizadas as variáveis: idade, sexo, ano do ensino médio, município de residência, situação conjugal, raça/cor, trabalho remunerado, chefe da família, grau de instrução do chefe da família, renda familiar, pais separados. Também, utilizou-se o instrumento de pesquisa denominado “Escala de atitudes face à sexualidade” (AFSA), que contém 26 itens em uma escala tipo likert e classificada em desfavorável, indiferente e favorável, por meio do índice de AFSA calculando-se as média e desvios-padrão. O instrumento “Questionário de Valores e Crenças sobre Sexualidade, Maternidade e Aborto” (QVCSMA) contém 38 itens, que foram reduzidos a 24 após análise fatorial, cotado em uma escala tipo likert, com 5 alternativas de resposta, e, em seguida, classificada em 5 dimensões (prazer, afetividade, reprodução, maternidade e aborto). A cotação foi efetuada pela somatória dos percentuais de cada alternativa de cada dimensão. Quanto maior a média de resposta para cada item, maior percepção para cada afirmativa. Realizou-se um estudo piloto em escola de Vitória/ES, que permitiu a validação dos instrumentos. Após coleta, com dados do estudo principal, procedeu-se a realização do estudo psicométrico das escalas que apresentaram uma boa consistência interna. Para as análises dos resultados foram realizadas as estatísticas descritivas (média e desvio-padrão para ambos instrumentos) e analíticas (AFSA: qui-quadrado de Pearson e regressão logística multinomial; QVCSMA: Análise da Variância (ANOVA), teste de tukey e regressão linear múltipla). Verificou-se que a maioria dos adolescentes apresentaram AFSA desfavoráveis, sendo tais comportamentos diretamente associados à idade de dezessete anos (p-valor < 0,001); menor série do ensino médio (p-valor < 0,001) conviver com o companheiro (p-valor 0,001); raça/cor preta (p-valor<0,001) e parda (p-valor <0,001); grau de instrução do chefe da família do adolescente em nível fundamental I completo/fundamental II incompleto (p-valor<0,001) e menor renda familiar (p-valor< 0,001). Para o instrumento QVCSMA, verificou-se a predominância de concordância para as percepções sobre as funções da sexualidade, a desvinculação da maternidade como função principal da condição feminina e as piores percepções sobre o aborto. Na análise da regressão linear múltipla, o modelo foi estatisticamente significativo. Para a dimensão prazer as variáveis associadas foram: sexo (&#946;=0,076), ano do ensino médio (&#946;=0,053), situação conjugal (&#946;= -0,065), renda total da família (&#946;= 0,114). A dimensão afetividade: sexo (&#946;= -0,145) e a situação conjugal (&#946;= -0,099). Quanto à dimensão reprodução, o ano do ensino médio (&#946;= 0,053) e grau de instrução do chefe da família (&#946;= -0,091). A dimensão maternidade: idade (&#946;= 0,058), sexo (&#946;= 0,0106), ano do ensino médio (&#946;= -0,089), situação conjugal (&#946;= -0,123), trabalho remunerado (&#946;= 0,060), grau de instrução do chefe da família (&#946;= -0,110) e renda total da família (&#946;= -0,109). E a dimensão, aborto, o grau de instrução do chefe da família (&#946;= -0,106). Pôde-se concluir que os estudantes apresentaram predominantemente AFSA desfavoráveis sendo influenciadas por características socioeconômicas. As percepções dos adolescentes sobre sexualidade, maternidade e aborto são influenciadas por fatores socioeconômicos desfavoráveis, sendo as desigualdades socioeconômicas importantes marcadores para essas percepções

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105